2 de julho de 2022 - 14:53

HomeBRASILTebet sofre pressão em prova de fogo para erguer terceira via após...

Tebet sofre pressão em prova de fogo para erguer terceira via após saída de Doria

Com a desistência do ex-governador João Doria (PSDB-SP), a senadora Simone Tebet (MDB-MS) passa a concentrar por ora as expectativas da chamada terceira via, com os prós e contras que o afunilamento desse campo impõe à sua pré-candidatura, hoje na casa de 1% das intenções de voto.

O tucano, que pontuava em torno de 3% (empatado tecnicamente com ela), deixou a pista livre para a então rival no consórcio PSDB, MDB e Cidadania, que tenta fabricar uma alternativa competitiva a Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL). Juntos, os dois detêm cerca de 70% nas pesquisas.

Aliados e auxiliares de Tebet enxergam na saída de Doria uma oportunidade ímpar para ela, com vantagens e riscos implícitos. A ordem é turbinar a pré-campanha a ponto de sustentá-la como opção viável e neutralizar a ala do PSDB que ainda quer lançar um nome como cabeça de chapa.

Ungida pela direção dos três partidos como a melhor opção na disputa com Doria, sobretudo pelo índice de rejeição menor, a senadora foi diplomática ao comentar nesta segunda-feira (23) o recuo do tucano (a quem se referiu como colega e amigo), sem deixar de explicitar seu otimismo.

No momento do anúncio, a presidenciável estava em Cuiabá, cumprindo parte da agenda de viagens traçada para aumentar sua exposição e apresentá-la aos eleitores. O desconhecimento é justamente um de seus principais pontos fracos, principalmente quando se dava a comparação com Doria.

Tebet batizou a jornada de incursões como Caminhada da Esperança e vem buscando atender a uma das demandas reveladas pela pesquisa que a trinca de partidos contratou para embasar a escolha do candidato com mais chances. A sondagem contribuiu para o descarte do tucano pelo grupo.

Como o levantamento mostrou que o eleitor a ser caçado por uma candidatura alternativa está exausto do clima de polarização e quer saber de propostas para a vida real, a senadora atenuou o ritmo de críticas espontâneas a Lula e Bolsonaro. Costuma fazê-las, porém, quando é instada.

A divulgação de um plano de governo, ou pelo menos de um esboço de programa, é uma das cobranças que passam a recair com maior intensidade sobre a pré-campanha da emedebista nesta nova fase.

Ela montou uma equipe que inclui a economista Elena Landau na formulação de um documento com sugestões para a reativação do PIB e a geração de empregos. Ainda não estava claro nesta segunda se conselheiros de Doria na seara econômica se somarão ao grupo.

“Temos que parar de falar tanto de Lula e Bolsonaro e falar do Brasil, do Brasil real”, conclamou Tebet no Mato Grosso. “Falar dos brasileiros, que são muito mais importantes do que toda a classe política. Vamos falar daquilo que o Brasil precisa [e também] da fome, da miséria, da inflação.”

A senadora também aproveitou para minimizar as divergências dentro de seu partido, com alas que defendem apoio a Lula e a Bolsonaro. Deu a entender que será relativamente fácil transpor essa barreira, ao reiterar possuir o apoio de pelo menos 80% dos membros do diretório.

Ela, que tem a seu lado o presidente nacional da sigla, deputado federal Baleia Rossi (SP), acaba de amealhar o apoio do ex-senador Romero Jucá (MDB-RR). A falta de unanimidade interna, admitida pela própria, escancara um dos aspectos que ainda turvam o projeto de Tebet.

Embora indefinida, uma participação direta de Doria na campanha virtualmente liderada pela senadora é algo visto pelo entorno dela como danoso. O temor é justificado pelo poder de desagregação do tucano não só no PSDB, mas também no ambiente do autodenominado campo democrático.

O agora ex-presidenciável, ao recuar, removeu um obstáculo significativo para o entendimento das siglas de centro-direita. Aliados da emedebista dizem que o novo quadro reduz a pressão para se alcançar um patamar mínimo nas pesquisas, embora, obviamente, a intenção seja crescer.

O discurso corrente entre os “tebetistas” é o de que a prioridade passa a ser consolidá-la como detentora de condições políticas para encabeçar o projeto da terceira via. Entram no cálculo as alianças partidárias que ela será capaz de estabelecer e o diálogo com diferentes camadas da sociedade.

“Ela é excelente candidata. Espero que a partir de agora as pessoas prestem mais atenção a ela”, diz o ex-deputado federal Carlos Marun (MDB-MS).

Para o presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, nem mesmo a muralha que é o embate cristalizado entre Lula e Bolsonaro será intransponível. “Se o Muro de Berlim caiu, um paredão desse facilmente cai também. Quando a história segue em frente, não tem muro que interrompa”, compara.

Freire afirma que o centro deve abraçar Tebet e evitar dispersão. “Se tentarmos discutir qualquer outra alternativa, nós estaremos trabalhando contra nós mesmos. Nosso objetivo agora é trabalhar o nome dela para ganharmos a sociedade com propostas concretas e uma mensagem de paz.”

A cúpula do PSDB também sinalizou nos bastidores que a tendência é consolidar a aliança, enterrando levantes por candidatura própria, como quer, por exemplo, o deputado federal Aécio Neves (MG). Membros da sigla foram escalados para afinar com o MDB acordos sobre programa e alianças.

No quesito propaganda, o principal trunfo apontado pelo entorno de Tebet é a leva de inserções a que o MDB terá direito em rede nacional de TV e rádio. O partido vai preencher a fase final do calendário previsto pela Justiça Eleitoral, na segunda quinzena de junho, o que enseja duas leituras.

Se, por um lado, os anúncios entrarão em uma época mais próxima das convenções partidárias (entre julho e agosto) e, consequentemente, do início oficial do período eleitoral, por outro só irão ao ar daqui a um mês. Não serão, portanto, uma ferramenta à mão para tentar alavancá-la de imediato.

Até lá, a arma serão as viagens pelo país, preenchidas por encontros com líderes políticos, visitas e entrevistas, em estratégia para cavar espaço na mídia.

Um vídeo divulgado pela equipe de Tebet na semana passada faz as vezes de introduzir sua imagem para um público mais amplo. Relembra sua trajetória desde a cadeira de prefeita de Três Lagoas (MS) até o Senado, exaltando o fato de ter sido pioneira como mulher em vários espaços de poder.

A ênfase atende a um diagnóstico, também colhido em pesquisas, de que a fatia do eleitorado propensa a escolher um alguém que não seja Lula nem Bolsonaro valoriza quem tem experiência na vida pública e vivenciou alguma dificuldade -o filme insinua que no caso dela o desafio foi o machismo.

“O gesto do Doria reforça nossa responsabilidade de representar a união do centro democrático e essa candidatura alternativa para o país”, diz Felipe Soutello, profissional que está à frente da comunicação de Tebet. “É essa unidade que a campanha vai sinalizar”, segue o marqueteiro.

Coordenador do Derrubando Muros, grupo com empresários e formadores de opinião que abriga favoráveis à terceira via e simpatizantes de Lula, o sociólogo José Cesar Martins afirma que a senadora poderá crescer se conseguir transformar suas qualidades em intenção de voto.

“Agora ela vai precisar recuperar o tempo perdido pelo centro, se dar a conhecer e conquistar o coração tanto quanto a cabeça dos brasileiros”, diz ele.

Diário do Ribeira / Gazeta SP

ULTIMAS NOTÍCIAS

NOTÍCIAS RELACIONADAS