3 de julho de 2022 - 17:32

HomeDESTAQUES DO DIAJá certificadas, extrativistas da Ilha Comprida partem para colheita de macela

Já certificadas, extrativistas da Ilha Comprida partem para colheita de macela

As chamadas trabalhadoras da Natureza da Ilha Comprida, já com suas certificações de extrativismo sustentável expedidas pela Associação de Manejadores de Plantas Nativas da Ilha Comprida (Ampic), partem ainda neste mês de abril para o campo, para a colheita da macela (erva da flora brasileira, conhecida por macela-do-campo, macelinha, macela de travesseiro, carrapichinho-de-agulha e camomila nacional).

A colheita segue as normas ambientais e conta com o apoio das artesãs de diferentes grupos de artesanato formados pelo Município e Fundo Social de Solidariedade (FSS).

Após ser colhida, a erva é seca e passa a compor sachês de chás calmantes, travesseiros medicinais, arranjos florais, naninhas de crianças e uma infinidade de produtos artesanais.

“A colheita de Macela e os trabalhos artesanais são importante fonte complementar de renda para muitas mulheres das comunidades de Pedrinhas, Juruvaúva, Viaréggio, Ubatuba e Boqueirão Norte e envolve também integrantes do Instituto Renata Miguel. Após a colheita, cada uma trabalha em sua casa, vende particularmente ou coloca a produção nas lojas mantidas pelo FSS”, explica Darci Pupo , artesã e extrativista.

A moradora de Pedrinhas, Rosilda de Camargo Teixeira, extrativista e pescadora, trabalha na natureza desde pequena: “Não troco por nada. É liberdade, a gente se sente bem, adoro plantas e a natureza”. Sua filha, Angélica Teixeira Miranda, mora em Juruvaúva, e também trabalha na venda de pescado, ostra e produtos sustentáveis. “Cresci assim. O extrativismo é uma oportunidade de complemento de renda para a gente. Em Juruvaúva, também temos ostras e peixes. Em lugar turístico, a gente faz um pouco de tudo”, afirma.

Os produtos com macela e outros artigos artesanais produzidos pelos grupos da Ilha, podem ser encontrados na Vila do Artesanato (Praça Boqueirão Norte – Estande do Fundo Social de Solidariedade); Loja do FSS (Vila de Pedrinhas) e na Loja de Arte (Terminal Rodoviário).

 

Diário do Ribeira

ULTIMAS NOTÍCIAS

NOTÍCIAS RELACIONADAS