1 de julho de 2022 - 11:07

HomeDESTAQUES DO DIAJovem denuncia estupro em carceragem

Jovem denuncia estupro em carceragem

Na noite de sábado (12), uma jovem de 18 anos que estava presa preventivamente na Delegacia de Polícia de Barueri denunciou ter sido estuprada na carceragem. O suspeito do crime, que é o carcereiro, foi afastado e a agressão está sendo investigada.

A vítima foi presa em flagrante na noite de sexta-feira (11), acusada por tráfico de drogas. Ela estava em prisão preventiva na delegacia, aguardando transferência para o Centro de Detenção Provisória de Franco da Rocha.

Segundo o advogado da jovem, Amadeu França, ela foi abordada pelo carcereiro, 55 anos, em uma sala dentro da carceragem. Onde, de acordo com o advogado, o policial civil a estuprou.

Amadeu de França gravou parte do depoimento da vítima nesta segunda-feira (14). Ela conta, em uma conversa com o advogado, os momentos de terror e pede a ele que a tire de lá, já que diante da situação não se sente segura, lembrando-se da violência que sofreu.

O advogado explica que a carceragem do distrito policial recebe, além de mulheres presas temporariamente, menores infratores que permanecem em outras duas celas no andar superior.

De acordo com o boletim de ocorrência, o carcereiro afirmou ter sido avisado de que adolescentes apreendidos estavam fazendo barulho na ala superior. Ele contou que foi até lá, passando pela cela da mulher e após verificar o barulho, retornou para sua sala. O carcereiro notou que a porta chapeada, que dá acesso à entrada da sala dos agentes, estava fechada, sendo que anteriormente estava aberta.

Ainda de acordo com o boletim de ocorrência, o policial disse que se direcionou a cela da mulher, mas que não a encontrou, avistando apenas os chinelos dela próximos às grades dos fundos. Supondo que a detenta pudesse ter fugido, o agente conseguiu abrir a porta, com a ajuda de um extintor. Em seguida, foi até o plantão policial e informou aos outros agentes o ocorrido.

Contudo no plantão policial, em entrevista, a vítima contou que havia sido estuprada pelo carcereiro.

Uma perícia foi requisitada no local, além de exames para constatação de conjunção carnal e toxicológico para a vítima, ambos realizados no Hospital Pérola Byington.

Também foram solicitados exames de lesão corporal, exame toxicológico e material biológico do carcereiro, para possível teste de confronto de acordo com o boletim de ocorrência.

O caso foi registrado como estupro consumado, através do boletim de ocorrência 659/2022, na delegacia de Barueri.

A jovem permanece na delegacia até o parecer do Judiciário. E tem sua transferência prevista até a última segunda-feira (14) ao Centro de Detenção Provisória de Franco da Rocha.

O próximo passo do advogado da mulher será pedir à Justiça a conversão da prisão preventiva para prisão domiciliar, já que a mulher é mãe de uma criança de 1 ano. A prisão domiciliar é garantida pela lei em casos de mães com crianças de até 12 anos sob seus cuidados.

“A vítima foi ouvida no último domingo (13) e encaminhada ao Hospital Pérola Byington, onde realizou exames periciais. O local dos fatos também foi periciado e outros detalhes serão preservados para garantir autonomia ao trabalho policial”. Em nota, a Polícia Civil também afirmou que a 11º Corregedoria Auxiliar de Carapicuíba foi comunicada sobre a denúncia e instaurou um inquérito policial e apuração preliminar.

 

 

ULTIMAS NOTÍCIAS

NOTÍCIAS RELACIONADAS