29 de junho de 2022 - 09:03

HomeBRASILComo ficam os testes tradicionais com a chegada do autoteste?

Como ficam os testes tradicionais com a chegada do autoteste?

Na semana passada, a Anvisa aprovou a liberação dos chamados autotestes para COVID-19. Apesar de a utilização de autotestes vir em um momento de alta demanda de buscar por testes para identificação do coronavírus, uma vez que, segundo as informações divulgadas pela Associação Brasileira de Farmácias e Drogarias (ABRAFARMA), que apontou crescimento de 44% em um intervalo de duas semanas, ainda existem algumas dúvidas sobre como os dados gerados a partir desta ação serão reportados para controle epidemiológico e, além disso, preocupa o fato de a medida não ser atrelada a uma estratégia de testagem ampla da população.

Neste momento, é importante lembrarmos que além da novidade do autoteste, já existem outras duas opções para detecção do vírus, que já são utilizadas desde do início da pandemia: o RT-PCR (sigla em inglês que quer dizer Transcrição Reversa seguida de reação em Cadeia da Polimerase) e o Teste de Antígeno, ambos são fortemente indicados para identificação.

Autoteste

O autoteste para Covid-19 é um exame de antígeno realizado pela própria pessoa em sua casa por meio da coleta do material no nariz com cotonete ou por saliva. A rapidez do resultado pode ser explicada pelo mecanismo utilizado pelo teste para identificar ou não a presença do vírus nas amostras.

“A chegada do autoteste e essa é uma boa notícia no que tange seu estímulo a uma cultura de testagem espontânea mais frequente na população. Porém, seria muito importante que todo o portfólio de testes disponíveis fosse devidamente posicionado dentro de um plano de testagem ampla da população, preferencialmente coordenado com a vasta rede de laboratórios públicos e privados do país, e que leve em conta as características técnicas dos diferentes testes disponíveis para as pessoas sintomáticas e assintomáticas. Ainda é tempo de assumir o controle da pandemia no Brasil, com os vários exemplos bem sucedidos ao redor do mundo, sabemos que é possível”, comenta Eduardo Razza, Doutor em Biotecnologia e Farmacologia e Gerente de Desenvolvimento de Mercado da Thermo Fisher Scientific no Brasil.

RT-PCR

O RT-PCR consiste em um método laboratorial de diagnóstico molecular, ou seja, que detecta a presença do material genético do vírus. A amostra utilizada é obtida da mucosa das vias respiratórias. Ele é considerado o método padrão ouro, ou seja, o melhor e mais indicado para diagnóstico da COVID-19 e suas variantes, podendo detectar o vírus nos primeiros dias após o indivíduo o contrair, mesmo sem apresentar sintomas. Os testes RT-PCR apresentam sensibilidade maior que 95% e especificidade maior que 99%, sendo que o resultado pode sair em três horas, a partir do início da análise da amostra.

Este tipo de teste é ideal quando:

São necessários resultados precisos e com alta confiabilidade.
Para a testagem diagnóstica e de vigilância da população.
Em casos de pessoas assintomáticas.
Caso o paciente apresente sintomas e um resultado negativo do Ag-RDT. Nesta situação, recomenda-se que se faça um teste de RT-PCR para confirmar.
Teste de antígeno ou Ag-RDT

Os testes de antígeno ou Ag-RDTs detectam a presença do antígeno viral e deve ser utilizado na fase inicial ou ativa da doença. Isto é, deve ser feito no momento que aparecem os primeiros sintomas, preferencialmente entre o 3º e o 6º dia após a exposição ao vírus.

Este tipo de teste é considerado útil quando:

São necessários conveniência e velocidade para determinar rapidamente se uma pessoa pode estar com o vírus.
Para os contextos de testagem no local de atendimento e triagem de grupos de alto risco, sendo não recomendado para populações assintomáticas.
Ideal para alcançar regiões mais distantes, de difícil acesso a uma rede de laboratórios.

Diário do Ribeira / Gazeta SP

ULTIMAS NOTÍCIAS

NOTÍCIAS RELACIONADAS