8 de agosto de 2022 - 04:39

HomeDESTAQUES DO DIACentrão defende chapa de Tarcísio com Janaina Paschoal em SP

Centrão defende chapa de Tarcísio com Janaina Paschoal em SP

Líderes do centrão próximos do presidene Jair Bolsonaro (PL) defendem a presença da deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) na chapa que será encabeçada pelo ministro Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) em São Paulo.

Esta possibilidade não é rechaçada pelo próprio auxiliar de Jair Bolsonaro –pelo contrário. Nos últimos dias, o titular da Infraestrutura disse a pessoas próximas que a vê como potencial candidata ao Senado.
O ministro chegou a dizer à própria Janaina no ano passado que seria até uma possibilidade tê-la como candidata a vice ou a senadora na chapa.

Dirigentes de partidos do centrão que fazem parte do entorno do presidente também defendem Janaina na composição com Tarcísio no palanque bolsonarista em São Paulo. A avaliação é que, por ser mulher e ter tido apoio expressivo no estado em 2018, agregaria mais ao ministro eleitoralmente.

Os 2 milhões de votos que conquistou garantiram-lhe a condição de deputada estadual mais bem votada em São Paulo, e a convicção de que, para um mandato de deputada federal, também poderia ser eleita.
A aproximação de Janaina com Tarcísio começou no final do segundo semestre do ano passado.

A autora do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) procurou o ministro em setembro se apresentando e dizendo que, caso ele pretenda disputar o governo do estado, precisaria de um paulista como vice e que ela poderia ajudar a pensar em alguém.

Desde então, começaram a conversar. No final de novembro, tiveram o primeiro encontro na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo). A interlocutores Janaina saiu dizendo que estaria encantada, e que seu voto era dele.

À reportagem a deputada estadual confirmou: “A palavra que eu uso para você é esta: encantada. Fiquei encantada, entendeu? Vou trabalhar para este homem ser o nosso governador”.
Janaina também confirmou que a hipótese de vice foi ventilada, mas disse achar que pode “fazer mais” como senadora.

“Quero pôr meu nome à disposição do estado. Entendo que tenho formação jurídica para estar no Senado, uma Casa que requer mais densidade. Tenho pré-requisitos para ser uma excelente senadora, o que não significa que eu vá ganhar”, disse a deputada, que foi professora licenciada de direito da USP (Universidade de São Paulo).

Interlocutores de Bolsonaro também veem o movimento de aproximação como estratégico por causa da capacidade que a deputada tem de agregar votos.

Ela diz a interlocutores que seu plano A é ser candidata ao Senado, mas não descarta a possibilidade de sair em uma eventual chapa como vice.

Em conversa com o ministro, também chegou a sugerir nomes para o cargo, como a secretária de Família do governo federal, Angela Gandra Martins, filha do jurista Ives Gandra Martins.

Janaina tem feitos gestos de reaproximação ao presidente –de quem chegou a ser convidada para ser vice em 2018, mas acabou se afastando com duras críticas ao governo.

Eles já se falaram ao telefone e combinaram de se encontrar em Brasília, mas ainda sem data.
Por outro lado, ela também vê com simpatia a candidatura do ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro (Podemos).
A construção da chapa em São Paulo é considerada uma das prioridades para o Planalto. Ter um palanque que defenda o presidente no maior colégio eleitoral do país é um dos principais focos de estratégias de 2022.

Antes dela, o nome que estava sugerido para disputar o Senado ao lado de Tarcísio era o de Ricardo Salles, que deixou o Ministério do Meio Ambiente em junho do ano passado.

A possibilidade de ele disputar o cargo, porém, foi descartada tanto pelo ministro como por dirigentes partidários pela avaliação de que outros nomes poderiam agregar mais à chapa. Salles deve disputar uma vaga na Câmara.

Além de Janaina, o ex-presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) Paulo Skaf também é citado como opção para compor a chapa.

O empresário dirigiu a federação por 17 anos até o final do ano passado, quando passou o comando para Josué Gomes da Silva, filho do ex-vice-presidente de Lula, José Alencar.

Líderes do centrão o consideram uma boa alternativa tanto para vice de Tarcísio, quanto para o Senado. Na avaliação deles, os três poderiam disputar em conjunto.

O titular da Infraestrutura disse a aliados que ainda não bateu o martelo sobre o partido ao qual se filiará, embora a maior probabilidade seja ir para o PL.

O ministro também tem afirmado que a tendência é deixar a pasta em 2 de abril, prazo final para os titulares das pastas abrirem mão dos cargos para disputarem a eleição.

De acordo com a pesquisa Datafolha publicada em dezembro do ano passado, Freitas aparece em quinto lugar com 5% das intenções de voto em um cenário liderado por Geraldo Alckmin (sem partido), com 28%.
Neste cenário, Fernando Haddad (PT) fica em segundo, com 19% das intenções, seguido por Márcio França (PSB), com 13% e Guilherme Boulos (PSOL), com 10%.

Numa simulação sem Alckmin, Haddad lidera com 28%, seguido por França, que segue com 19%.
Já Boulos oscila de 13% para 11%, e Tarcísio, de 6% para 7%. O vice-governador Rodrigo Garcia (PSDB-SP), que disputará a eleição, tem 6%. Os demais candidatos, Arthur do Val, oscila de 5% para 3%, Weintraub, de 2% para 1%, e Poit fica em 1%.

Na hipótese A, Alckmin lidera com 28%, seguido por Haddad (19%), França (13%), Guilherme Boulos (PSOL, 10%), o ministro Tarcísio Gomes de Freitas (sem partido, 5%), Arthur do Val (Patriota, 2%) e a dupla Vinicius Poit (Novo) e Abraham Weintraub (sem partido), com 1%. Brancos e nulos somam 16%, e 4% não opinaram.

 

Diário do Ribeira / Gazeta SP

ULTIMAS NOTÍCIAS

NOTÍCIAS RELACIONADAS