22 de setembro de 2021 - 11:33

HomeBRASILO bolso não aguenta: Brasileiro começa a pagar mais caro por produtos...

O bolso não aguenta: Brasileiro começa a pagar mais caro por produtos internacionais

O preço dos produtos importados deverá aumentar para o consumidor final no Brasil, além do risco de levarem mais tempo para chegar aos destinatários, especialmente se vierem da China.

A crise internacional dos portos, iniciada logo após o recrudescimento da pandemia em todo o mundo, impactando diretamente até a entrega de suprimentos básicos, começou a forçar as empresas e marcas que desembarcam seus produtos no país a transferirem o custo operacional do frete aos clientes compradores.

A “solução” aparece como saída para equalizar os custos, que já são quase 5 vezes maiores para o setor produtivo, e evitar que alguns mercados fiquem sem receber as encomendas.

“Com o reaquecimento do mercado, há, agora, uma fila para despachar os produtos aos seus respectivos destinos. O número de navios e contêineres é escasso e, agora, em teoria, devido à procura, aumentou o preço do frete”, comentou o ceo da Revharam, Anderson Souza Brito, especialista em câmbio, finanças e banking. Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças e Banking.

“As empresas de grande porte não estão mais negociando contratos a longo prazo, o que tem está com compromisso de ser atendido, e quem tem interesse e necessidade, nesse momento, vai ter que pagar a mais, devido à escassez de disponibilidade. Então, elas passarão a vender FOB ao invés de CIF”, concluiu.

A sigla FOB, em inglês, significa free on board — livre a bordo. Nele, quem paga pelo transporte é o comprador das mercadorias transportadas, ou seja, o destinatário. Por isso, a compra pode ser mais barata que no formato CIF, cost insurance and freight (custo, seguro e frete), mas o destinatário tem de arcar com custos de entrega, após o recebimento.

 

Portos e Pandemia

Atualmente, 27,8% da população mundial recebeu pelo menos uma dose da vacina contra o COVID-19 e tão somente 14,2% está totalmente vacinada. No Brasil, 26,83% da população brasileira está totalmente imunizada.

Com isso, o controle mais rígido para minimizar o contágio da doença foram e são necessários, como retenção de contêineres em portos e a proibição de troca de tripulação de navios. Houve e ainda há, também, as restrições de circulação pelo modal aéreo, devido às restrições de funcionamento de aeroportos e as fronteiras.

Na China, um terminal no porto de Ningbo-Zhoushan, ao sul de Xangai, está fechado desde o início de agosto, após a constatação de que um dos funcionários estava com Covid. Por isso, as principais companhias marítimas internacionais, incluindo as gigantes Maersk, Hapag-Lloyd e CMA CGM, precisaram mudar os horários para evitar o atracar no porto e já  estão alertando sobre atrasos

Atrelado à pandemia, existe ainda o aspecto político que impacta diretamente os tratados e processos de comércio internacional, como por exemplo a aproximação da China (maior país exportador do mundo) ao Talibã o reconhecendo como governo afegão.

 

Diário do Ribeira/Gazeta SP

Boteco do Véio II

ULTIMAS NOTÍCIAS

NOTÍCIAS RELACIONADAS