17 de maio de 2022 - 01:57

HomeDESTAQUES DO DIAGuaranis do Vale do Ribeira protestam contra projeto que dificulta demarcação de...

Guaranis do Vale do Ribeira protestam contra projeto que dificulta demarcação de terras

Depois de um protesto que durou quase quatro horas, o grupo de indígenas Guarani que se manifestava na Rodovia Régis Bittencourt, no km 375, na altura da cidade de Miracatu, no Vale do Ribeira, deixou o local. Pelo menos 350 índios, de 23 aldeias da região, interditaram a via no sentido São Paulo para protestar contra o Projeto de Lei (PL) 490/2007. O movimento começou hoje (29) por volta das 5h30 da manhã e terminou às 9h.De acordo com o líder guarani, Timóteo Popygua, a esperança de todos os grupos indígenas do país é a de que os congressistas sejam sensíveis ao discutir o PL 490, que dificulta a demarcação de terras indígenas permitindo empreendimentos como o garimpo, a abertura de estradas e hidrelétricas. O PL já foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara por 40 votos a 21. Hoje, serão votados os destaques da proposta que ainda precisa passar pelo plenário da Câmara dos Deputados antes de seguir para o Senado.

“Estamos insatisfeitos porque esse PL abre precedentes contra as terras indígenas e fica a favor, principalmente, da mineração. Tudo isso traz graves consequências para as populações indígenas do Brasil. Nossa preocupação é a de que se for aprovado, não teremos nenhum direito ou garantia de regularização fundiária. A demarcação de terras indígenas é primordial para nossas comunidades, nossa existência e, principalmente, para nossas crianças”, disse Popygua.

Um dos pontos do PL 490 é o marco temporal que será analisado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em julgamento de repercussão geral que será iniciado amanhã (30). A Corte vai julgar a ação de reintegração de posse movida pelo governo de Santa Catarina contra o povo Xokleng, referente à Terra Indígena (TI) Ibirama-Laklanõ, onde também vivem indígenas Guarani e Kaingang.

Por meio do marco temporal busca-se restringir os direitos constitucionais dos povos indígenas, com a defesa de que essa população só teria direito à demarcação das terras que estivessem sob sua posse no dia 5 de outubro de 1988. Alternativamente, se não estivessem na terra, teriam que comprovar a existência de disputa judicial ou conflito material a partir da mesma data.

“Somos contra o marco temporal porque somos povos originários e nossa história não começa em 1988. Esperamos que o STF tenha essa sensibilidade, que tenha coração. Vamos esperar, porque sempre tem alguém com visão sobre os direitos indígenas e ambientais”, afirmou o líder guarani.

 

*Com informações da Agência Brasil

 

Diário do Ribeira

ULTIMAS NOTÍCIAS

NOTÍCIAS RELACIONADAS