20 de junho de 2021 - 06:34

HomeBRASILNelson Sargento, nome histórico do samba, morre de Covid aos 96 anos

Nelson Sargento, nome histórico do samba, morre de Covid aos 96 anos

O sambista, cantor, compositor, artista plástico, ator e escritor Nelson Sargento morreu nesta quinta-feira aos 96 anos no Rio de Janeiro, vítima da Covid-19. Presidente de honra da Estação Primeira de Mangueira, ele é compositor de clássicos retumbantes da música brasileira, como o samba Agoniza Mas Não Morre: “Samba / Agoniza mas não morre / Alguém sempre te socorre / Antes do suspiro derradeiro / Samba / Negro forte, destemido…”

Sargento foi diagnosticado com o novo coronavírus na última sexta-feira (21), quando foi internado no Instituto Nacional do Câncer (INCA). Nesta quarta, a família revelou que seu quadro havia piorado.

O artista participou do inicio da vacinação no Rio, a convite do prefeito Eduardo Paes (DEM). A vacinação ocorreu no Palácio da Cidade, em Botafogo, zona sul da capital fluminense, em 1º de fevereiro.

Ele disse ao “Estadão”, em fevereiro deste ano, o que sentiu ao tomar a primeira dose da vacina: “Levantei a manga da camisa, a moça fez o trabalho dela. Eu fui ao céu e voltei”. Depois, emocionado, disse ao jornal: “”Isso tudo vai passar. Tem que passar”.

No dia 26 de fevereiro, o compositor da Mangueira recebeu a segunda dose. Além da idade avançada, Nelson sofreu com um câncer de próstata anos atrás.

Com o agravamento do caso, muitos admiradores passaram a torcer pela recuperação de Sargento, e a destacar sua importância para a cultura nacional.

“Nelson sempre esteve do lado certo da história. Sua inteligência, bom humor, sensibilidade e amor pelo Brasil são o seu maior legado”, escreveu o jornalista campineiro Bruno Ribeiro.

“O samba de luto. Conforta saber que Seu Nelson foi reconhecido e reverenciado em vida. Será lembrado e, por isso, viverá. Abraço familiares, amigos e a nação mangueirense”, disse a também jornalista Flávia Oliveira.

Ele deixa a mulher, Evonete Belizario Mattos, e os filhos (Fernando, José Geraldo, Marcos, Léo, Ricardo, Ronaldo, Rosemere, Rosemar e Rosana). Deixa também o Vasco da Gama, clube que disse levar no coração desde os 10 anos de idade.

 

Diário do Ribeira/Gazeta SP

ULTIMAS NOTÍCIAS

NOTÍCIAS RELACIONADAS