• Seja bem vindo ao Diário da Ribeira!
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Em caso de 2ª onda, prorrogação do auxílio emergencial será ‘uma certeza’, diz Guedes

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Nesta quinta-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que, se houver uma segunda onda de casos do novo coronavírus no Brasil, a prorrogação do auxílio emergencial será “uma certeza”. A fala do ministro foi feita durante um evento promovido pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras).

O auxílio emergencial foi aprovado e implantado pelo Congresso para amenizar a perda de renda de trabalhadores informais. O primeiro pagamento foi feito em maio. O plano inicial era sustentar o auxílio até julho, mas ele foi prorrogado.

Com a prorrogação final do auxílio, que antes era de R$ 600, o valor passou a ser R$ 300 até dezembro. De acordo com o ministro, prorrogar o auxílio não é o “plano A” do governo federal, mas será necessário se houver uma segunda onda de Covid-19.

“Existe possibilidade de haver uma prorrogação do auxílio emergencial? Aí vamos para o outro extremo. Se houver uma segunda onda de pandemia, não é uma possibilidade, é uma certeza. Nós vamos ter de reagir, mas não é o plano A. Não é o que estamos pensando agora”, afirmou Guedes.

Até o final de 2020, o governo terá gastado mais de R$ 600 bilhões, ou 10% do Produto Interno Bruto (PIB), para combater os efeitos da pandemia no emprego, segundo Guedes. No caso de uma segunda onda da doença, é possível que sejam gastos 4% do PIB.

“A pandemia está descendo, o auxílio está descendo junto, e economia voltando. Essa é nossa realidade, nosso plano A. ‘Ah, mas veio uma segunda onda’. Ok, vamos decretar estado de calamidade de novo e vamos nós, de novo, com a experiência que temos agora, recalibrando os instrumentos”, destacou o ministro. “Ao invés de gastar 10% do PIB, como foi neste ano, gastamos 4% [em 2021]”, completou.

 

Diário do Ribeira/Gazeta SP

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DESTAQUES DO DIA