• Seja bem vindo ao Diário do Ribeira!
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

  • 8 de maio de 2021
  • 04:30

Covid-19: Brasil terá vacina no primeiro semestre de 2021, aponta Anvisa

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

O Brasil terá uma vacina contra a Covid-19 entre janeiro e junho de 2021, segundo o diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres. O diretor ressaltou que o órgão, mesmo não tendo uma decisão sobre o percentual do imunizante contra o coronavírus, já autorizou vacinas anteriores com menos de 50% de eficácia

“Acredito, pelo que temos observado, que o tempo para isso acontecer será em algum momento entre o primeiro mês e o sexto mês de 2021, ou seja, no primeiro semestre de 2021. Por enquanto é isso que acredito em face do que temos visto”, afirmou o presidente em entrevista à “Reuters”.

“Obviamente isso pode mudar, eu espero que não, espero que fiquemos dentro desse período de tempo, mas é uma estimativa que eu faço”, completou. “Algumas pessoas são menos otimistas, outras são até mais otimistas, acham que antes, eu acho que antes não é possível, eu ficaria com alguma coisa entre janeiro e junho de 2021”, disse Barra Torres.

O diretor-presidente destacou que ainda não há um consenso sobre a eficácia da vacina, mas que esta é uma situação “totalmente diferenciada” e que o órgão já autorizou vacinas para a Influenza com percentual abaixo de 50%.

Vacinas

O diretor-presidente da Agência disse que haverá uma análise técnica de todos os pedidos de imunizante que porventura forem ao órgão regulador.

Até o momento, quatro empresas estão produzindo imunizantes contra a doença: AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford; Pfizer em parceria com a BioNTech; Johnson & Johnson, por meio da subsidiária Janssen, e a Sinovac.

“A blindagem da Anvisa (sobre discussões políticas) é a alta capacitação dos seus servidores e a profunda dedicação desses mesmos servidores em encontrar as soluções adequadas para o problema. Essa é a maior blindagem. E é claro, nós, os seus diretores, nós somos cinco, nós não nos envolvemos com nenhuma questão política”, falou sobre a situação Brasília e de São Paulo no caso da vacina produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac.

Para Barra Torres, não há diferenciação em razão da origem nos quatros processos de testes de vacina contra Covid-19.

“Não há para nós um peso, uma diferenciação, um conceito pré-estabelecido em relação a origens, realmente temos origens diferentes, mas estamos adotando o mesmo regramento, o mesmo detalhamento para todas as vacinas que estão em andamento conosco”, informou.

De acordo com o diretor-presidente, não teve atraso na aprovação de importação de insumos para a produção da vacina da Sinovac pelo Instituto Butantan. A afirmação ocorreu após o centro de pesquisas ligado ao governo paulista alegar essa situação.

Ainda de acordo com Barra Torres, o pedido do instituto foi apresentado inicialmente à Anvisa em 23 de setembro, contudo, após a primeira análise foram apontadas “deficiências” e “fragilidades” na requisição. “Não há que se falar em atraso”, finalizou o diretor.

 

Diário do Ribeira/Gazeta SP

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DESTAQUES DO DIA