• Seja bem vindo ao Diário do Ribeira!
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

  • 8 de maio de 2021
  • 04:58

Dia do professor é comemorado com muita superação e dúvidas trabalhistas

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Para ajudar a orientar os professores e instituições de ensino, e tirar dúvidas sobre esta nova fase de trabalho remoto, o Diário do Litoral conversou com o advogado pós-graduado em Direito do Trabalho e Direito Previdenciário e pesquisador, autor de livros e professor de Direito do Trabalho e Direito Previdenciário em cursos preparatórios para o exame da OAB, Henrique Lourenço de Aquino, que sintetizou as principais dúvidas com as mudanças da lei trabalhista para a categoria.

 

É necessário um novo contrato de trabalho?

O regime de trabalho em home office (teletrabalho), conforme prevê a legislação trabalhista, não determina a obrigatoriedade do controle de jornada, se assemelhando aos cargos de confiança ou trabalhadores externos, já o trabalhador em regime presencial de jornada deve cumprir normalmente a jornada pré-determinada. Assim, para uma maior segurança jurídica para empresas e empregados, nos casos de trabalho híbrido, ou seja, em home office e presencial é aconselhável que seja estipulada a jornada de trabalho através de um aditivo contratual.

 

Quem está em trabalho remoto perde o vale-transporte?

O vale-transporte é um direito de todo trabalhador, tendo por objetivo suprir despesas com o deslocamento residência-trabalho e vice-versa, deste modo, nas situações em que o professor está trabalhando em home office não existe a necessidade do fornecimento do vale-transporte, vez que, não está tendo despesas com deslocamento. Nas situações que o professor trabalha em home office, mas eventualmente tem que ir presencialmente a escola, deverá ser pago o vale-transporte proporcionalmente às despesas do deslocamento.

 

O professor pode se negar ao retorno às aulas presenciais?

Atualmente o trabalho em home office é regido pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), não existindo hipótese que permita ao empregado se negar a trabalhar presencialmente, porém, a portaria conjunta nº20 do Ministério da Saúde e da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho estabeleceu que os profissionais do grupo de risco devem ser prioridade para o trabalho em home office. O mais prudente nestes casos, é o professor apresentar uma solicitação formal ao departamento pessoal da empresa, para que seja autorizado desemprenhar suas atividade de casa, o atestado médico que aponte riscos a saúde do trabalhador e a orientação do trabalho remoto contribui para que a empresa permita que o docente fique em teletrabalho.

 

Mas quem não se enquadra deve voltar?

Nas situações em o empregado não cumpra a ordem da empresa para o trabalho presencial, poderá gerar a rescisão do contrato de trabalho por justa causa. Nestes casos a melhor solução é negociar com o empregador, salientando ainda que a lei trabalhista permite a negociação do sindicato com a empresa no que tange ao teletrabalho.

 

Por conta da pandemia do COVID-19 houve a sanção da Lei Nº 14.040, que estabelece regramento excepcional na área da educação a serem adotadas durante o Estado de calamidade pública que está previsto até o dia 31 de dezembro de 2020. Se a carga de trabalho presencial for menor, é possível utilizar essas horas para atividades de formação ou de planejamento?

A lei que tem como origem a Medida Provisória (MP) 934 desobriga as escolas de educação básica e as universidades de cumprirem a quantidade mínima de dias letivos, permitindo, portanto, uma carga horária maior para planejamento de atividades.

 

A reforma trabalhista (Lei 13.467/17) trouxe três possibilidades de banco de horas como fica isso para o professor?

1ª – Acordo verbal ou escrito entre empresa e empregado para compensação de horas dentro do mesmo mês;

2ª- Acordo escrito entre empresa e empregado para compensação de horas dentro de 6 meses;

3ª- Compensação das horas dentro de um ano, tão somente através de Acordo ou Convenção Coletiva de Trabalho.

 

E as férias?

As férias dos professores do estado de São Paulo devem ser obrigatoriamente por 30 dias corridos, conforme prevê a Convenção Coletiva da Categoria, portanto, qualquer período concedido superior aos dias das férias poderá ser concedido e posteriormente compensado com os dias de formação pedagógica, através do banco de horas.

 

Existe a CLT e, também, as Convenções e Acordos Coletivos, com a Reforma Trabalhista, qual dessas normas devemos seguir?

As Convenções e Acordos Coletivos de Trabalho no que for mais benéfico ao trabalhador sempre terão prevalência. A Reforma Trabalhista, todavia, trouxe a possibilidade do Negociado se sobrepor ao Legislado em alguns pontos devidamente previstos na CLT (não podendo ir contra os direitos constitucionais trabalhistas), deste modo, o Acordo ou Convenção Coletiva de Trabalho se sobrepõe a lei, mesmo em situações não propriamente benéficas aos empregados. Existe Ação Direta de Inconstitucionalidade no STF que julgará sobre a constitucionalidade deste assunto.

 

Diário do Ribeira/Gazeta SP

 

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DESTAQUES DO DIA