• Seja bem vindo ao Diário do Ribeira!
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

  • 8 de maio de 2021
  • 04:35

Condenado por estupro na Itália e contratado pelo Santos, Robinho é defendido pelo presidente do clube

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

O presidente em exercício do Santos, Orlando Rollo, defendeu a contratação do atacante Robinho, anunciada no último sábado (10) e criticada por torcedores devido à condenação do jogador por violência sexual em primeira instância, na Itália.

“Robinho não está condenado com trânsito em julgado. Quem somos nós para atirar pedra no Robinho? Atire a primeira pedra quem nunca pecou. E será que ele pecou? Vamos esperar o desfecho do processo”, afirmou à Folha de S.Paulo.

O atacante foi condenado em 2017 a nove anos de prisão por violência sexual. Ele recorre em liberdade da decisão em primeira instância.

Rollo disse que os santistas adoraram a contratação, e que a reação negativa era apenas de outras torcidas, que teriam ficado com “dor de cotovelo”.

Parte da torcida lembrou campanhas que o clube fez de conscientização no combate da violência contra a mulher, e considerou hipócrita a agremiação por ignorar o assunto quando da contratação.

“Respeito a opinião de todas [as mulheres]. Inclusive, eu acho que esse crime do qual ele é acusado é muito grave, já investiguei muito esse tipo [na carreira de policial civil], mas têm muitas mulheres apoiando, também. É aquilo que eu falei, não acabou o processo dele na Itália”, disse Rollo.

A sentença de 2017 saiu quando o atleta já havia deixado o país europeu e defendia o Atlético-MG. De acordo com a investigação, o caso ocorreu em 22 de janeiro de 2013, em Milão. A vítima seria uma mulher albanesa que tinha 22 anos na época.

Segundo a denúncia, Robinho e cinco amigos a intoxicaram com álcool até ela ficar incapaz de recusar o ato sexual. Ele também foi condenado a pagar 60 mil euros (R$ 233 mil) para a mulher.

A advogada do atleta, Marisa Alija, publicou um vídeo em suas redes sociais no fim da noite deste sábado em que diz que o processo está “na primeira fase, subindo para a segunda fase”. “Existem pelo menos três, até quatro graus de recurso, como é o caso da Justiça italiana”, afirmou.

De acordo com ela, como não existe uma sentença de prisão, não há nenhum impedimento para que ele deixe o Brasil para jogar com a equipe santista, por exemplo.

 

Gazeta SP/Folhapress

 

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DESTAQUES DO DIA