• Seja bem vindo ao Diário do Ribeira!
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

  • 8 de maio de 2021
  • 05:18

Justiça mantém penhora sobre herança de Paulo Maluf

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a penhora do patrimônio de R$ 128,6 milhões, herdado pelo ex-deputado federal e governador de São, Paulo Maluf, de sua mãe. O desembargador Carlos Otávio Bandeira Lins, da 8ª Câmara de Direito Público, negou recurso apresentado pelo político, também ex-prefeito da capital paulista, de 1993 a 1996.

Em nota, TJSP informou que a quantia será usada para indenizar a cidade de São Paulo visando cobrir verbas usadas irregularmente por Maluf, durante sua gestão municipal. Nos autos do processo, menciona-se que Maluf foi condenado, em ação popular, por utilizar o símbolo de sua campanha em programas e uniformes de funcionários de órgãos públicos.

Sustento

Para Bandeira Lins, o recurso não se sustenta, por não haver provas de que o ex-prefeito ou sua família necessitaria do valor para sustento. “A impenhorabilidade absoluta de certos bens e rendas tem como objetivo a garantia do patrimônio mínimo, de modo a assegurar que a execução de dívida encontre limite na dignidade pessoal do devedor. Não se comprova nos autos que este seja o caso em debate”, afirmou o magistrado.

Acrescentou que “mais do que recomposição do erário, a extensão da condenação ao patrimônio pessoal ‘atende ao interesse público de efetivação das sanções de cunho patrimonial àqueles que praticam atos em detrimento dos mores republicanos, externando sob essa forma a reprovabilidade da conduta e desestimulando a respectiva reiteração”, complementou o tribunal, em nota.

Em fevereiro deste ano, a prefeitura de São Paulo recebeu R$ 34,9 milhões de recursos desviados na gestão de Paulo Maluf, que seriam destinados ao custeio de obras da Avenida Água Espraiada – atual Avenida Jornalista Roberto Marinho – e do Túnel Ayrton Senna. No caso, estavam envolvidas as empresas Durant e Kildare.

 

Diário do Ribeira / Agência Brasil

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DESTAQUES DO DIA