• Seja bem vindo ao Diário do Ribeira!
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

  • 8 de maio de 2021
  • 04:58

Bolívia ultrapassa 100 mil casos de covid-19 e prevê pico em setembro

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

A Bolívia ultrapassou a marca de 100 mil casos de covid-19 no domingo, informou o Ministério da Saúde do país, prevendo que o vírus atingirá o pico em setembro.

A quantidade de infecções confirmadas do novo coronavírus chegou a 100.344, disse o ministério, e houve 4.058 mortes desde que o vírus surgiu no país no início de março.

“Os casos estão aumentando constantemente, ao menos do lado oeste do país. Até o final do mês, teremos entre 130 mil e 150 mil”, disse René Sahonero, diretor-geral de hospitais do ministério, à televisão estatal.

Sahonero disse que os casos aceleraram entre os 11,6 milhões de habitantes da Bolívia depois de protestos recentes ligados ao adiamento das eleições gerais – em julho, o Tribunal Eleitoral decidiu postergar a votação para 18 de outubro devido à disseminação do novo coronavírus.

Protestos

Nas últimas semanas, milhares de pessoas, inclusive apoiadores do ex-líder de esquerda deposto Evo Morales, participaram de manifestações e bloquearam estradas de todo o país para exigir que as eleições ocorram no dia 6 de setembro, como planejado originalmente.

A eleição será disputada entre o partido Movimento Ao Socialismo (MAS) de Morales e uma oposição conservadora fragmentada que inclui a presidente interina, Jeanine Añez, que assumiu em meio ao vácuo de poder do ano passado prometendo uma nova eleição em breve.

O governo boliviano enviou policiais e militares às ruas para proteger instalações essenciais e o transporte de suprimentos médicos depois que mais de 30 pacientes de covid-19 morreram durante os protestos por falta de oxigênio – entre eles, a irmã de Morales, Esther, que o político, hoje residente na Argentina, disse ter sido “como uma mãe”.

 

Diário do Ribeira / Agência Brasil

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DESTAQUES DO DIA