• Seja bem vindo ao Diário da Ribeira!
  • Seja bem vindo ao Diário do Ribeira!
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Mercedes lança novo carro em busca de feito inédito na F-1

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

A equipe lançou o W11 com a expectativa de conquistar um feito inédito nos 70 anos de história do esporte

O time segue com a mesma dupla de pilotos, formada pelo hexacampeão Lewis Hamilton e por Valtteri Bottas
Foto: Reprodução/Instagram/Mercedes AMG-F1

FOLHAPRESS / GAZETASP

Campeã invicta nos últimos seis anos na Fórmula 1, a Mercedes lançou nesta sexta-feira (14) o W11 com a expectativa de conquistar um feito inédito nos 70 anos de história do esporte: chegar a sete títulos consecutivos entre os construtores. O time segue com a mesma dupla de pilotos, formada pelo hexacampeão Lewis Hamilton e por Valtteri Bottas.

Depois da divulgação da pintura do carro na segunda (10), o lançamento do W11 em si ocorreu em evento simples em Silverstone, onde Bottas foi o primeiro a fazer um teste curto dos sistemas do carro, a exemplo do que a Red Bull também fez nesta semana.

A temporada 2020 tem tudo para ser marcante para Hamilton, que divulgou fotos de seu novo capacete, que será roxo: o inglês de 35 anos não só pode igualar a marca de sete títulos de Michael Schumacher, como também ultrapassar o alemão em número de vitórias e se tornar o piloto mais vencedor da história. O britânico começa o ano com 84 vitórias; o alemão conquistou 91 na carreira.

“Consegui caber no meu cockpit, então é um bom começo. Ano passado tive que emagrecer um pouco”, lembrou o inglês. “Nesse momento do ano, você não sente tanta pressão. Você curte o momento porque são meses de trabalho colocados nesse carro e só nós dois vamos ter a sorte de pilotá-lo. É um privilégio estar nessa posição. É meu oitavo ano com a equipe, e a animação de todos é a mesma. Depois de ter tanto sucesso, seria fácil o pessoal se acostumar. Mas não é isso que eu vejo. Todos estão muito animados.”

Hamilton, que também andou com o carro nesta sexta, disse esperar que seu companheiro, Valtteri Bottas, seja seu maior rival nesta temporada. O finlandês apareceu com seu visual normal, sem a barba usada em brincadeira nas mídias sociais nesta semana. “A barba estava enroscando no cockpit, então tive que raspar”, brincou Bottas. “As férias são um bom momento para avaliar o que aconteceu e aprender com os erros. Então estou muito empolgado”.

Já o chefe da equipe, Toto Wolff, tratou de não criar expectativas para mais um ano de sucesso da Mercedes. “É um dia muito importante para todos nós porque vemos a máquina pronta, na pista, pela primeira vez. Sucesso tem a ver com cumprir cada passo. Então hoje vamos checar o carro, os pilotos vão ter a primeira sensação com o carro. Depois vamos focar no teste e assim por diante. Não vamos focar em objetivos muito lá na frente.”

Depois de ser alvo de uma série de boatos de que poderia deixar a categoria, a Mercedes anunciou duas parcerias tecnológicas – com a AMD e a Ineos – que confirmam sua permanência como equipe. A inclusão da marca da Ineos mexeu até na pintura do carro do time para este ano, que ganhou um toque de vermelho. A empresa atua em diversos mercados relacionados a produtos químicos. Já a AMD é da área de comunicação, substituindo o acordo anterior com a Tata Communications.

Como o regulamento técnico segue estável e os mesmos compostos de pneu serão usados neste ano, a Mercedes tem todos os motivos para chegar em 2020 otimista. Afinal, o time conquistou o campeonato do ano passado com três corridas para o fim, e Hamilton selou o título faltando dois GPs para a temporada acabar.

Wolff, no entanto, acredita que a estabilidade nas regras pode ser perigosa para a Mercedes, uma vez que “ela leva à convergência de performance, como já vimos em outros anos.” De fato, a vantagem da Mercedes no começo de 2019 era muito maior do que na segunda metade do ano.

Para completar, o chefe da divisão de motores, Andy Cowell, revelou recentemente nas mídias sociais do time que os alemães “lutaram contra alguns problemas” durante os últimos meses. Ele se refere à unidade de potência, cujo desenvolvimento teve de ser acelerado depois que a Mercedes, que teve o motor mais potente nas últimas temporadas, arma importante para os títulos em sequência, foi ultrapassada no quesito pela Ferrari. “Fizemos melhorias em toda a unidade de potência, tanto do lado das recuperação de energia, quanto do motor a combustão. Tivemos muito trabalho para encontrar a especificação correta.”

A expectativa do time é conseguir levar três carros para os testes de pré-temporada em Barcelona semana que vem (ainda que só seja permitido que um carro por equipe esteja na pista). Mas o carro que vai estrear na Austrália deverá ser muito diferente, uma vez que um extenso pacote aerodinâmico já está sendo preparado para a primeira corrida do ano, marcada para dia 15 de março.

*Por Julianne Cerasoli, da Folhapress

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DESTAQUES DO DIA