• Seja bem vindo ao Diário do Ribeira!
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

  • 8 de maio de 2021
  • 05:08

Salário das domésticas deve aumentar na Capital e Grande São Paulo

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Valor deve do novo mínimo deve chegar a R$ 1.289

Atualmente, o piso  é de R$ 1.216 para capital e Grande SP. Foto: Marcos Santos/USP Imagens


Folhapress

O salário mínimo de empregadas domésticas da capital e da Grande São Paulo deve passar de R$ 1.216 para R$ 1.288,96 a partir de março, para carga horária de 44 horas semanais.

O aumento corresponde a um reajuste de 6% que está sendo negociado por representantes com o sindicato patronal, afirma Nathalie Rosário, advogada do Sindoméstica (Sindicato das Empregadas e Trabalhadores Domésticos de SP).

Atualmente, o piso para a categoria é de R$ 1.216 para capital e Grande São Paulo.

Tanto o salário atual quanto a previsão do novo piso para as domésticas são maiores do que o piso regional do estado de São Paulo, que hoje é de R$ 1.163,55.

O piso será oficialmente definido no final de fevereiro, nas convenções coletivas assinadas pelo Sindoméstica e pelo STDMSP (Sindicato dos Trabalhadores Domésticos do Município de São Paulo) com o Sedesp (Sindicato dos Empregadores Domésticos do Estado de São Paulo). Os acordos têm validade de um ano.

Para quem ganha acima do piso, o reajuste também deve acompanhar o aumento do mínimo, em 6%.

Depois que os novos valores forem aprovados, a contribuição previdenciária, paga ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), também terá aumento.

Para o empregado, a alíquota mínima (de 8%) sobre o piso corresponde a um desconto de R$ 97,28 por mês. Com o reajuste, deve subir para R$ 103,11.

Já para o patrão, a alíquota é de 20% e inclui FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), seguro contra acidente de trabalho e antecipação da multa do FGTS e deve passar dos atuais R$ 243,20 para R$ 257,79.

O Sedesp determinará também os valores mínimos para quem mora no local de trabalho.

Há municípios do interior do estado que integram a base territorial da federação e são afetados pelo acordo. É possível consultar a abrangência pelo site do sindicato (http://www.sedesp.com.br/juridico_convencoes.php).

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DESTAQUES DO DIA